24/05/2011

História Lineage 2


Prólogo: Pela fogueira
 
Ele respirou profundamente, inalou a fumaça, e a deixou sair lentamente. A maior da parte da sua face estava escondida sob uma capa grossa, velha, e atrás dele só havia escuridão. No fulgor ofuscante do cachimbo era impossível ver suas características.

Apresentou-se como um bardo - mas ninguém acreditou nele, pois sua voz era grossa e áspera - e suspeitamos que ele viajásse sozinho pela floresta perigosa.

No entanto, ele se ofereceu para nos contar uma história se nós compartilhássemos de nossa refeição e do calor da nossa fogueira. Nós concordamos, somente porque não podíamos deixar este viajánte na floresta fria. Nós nos tornamos confortáveis ​​perto do fogo, segurando nossas armas prontas em caso de perigo, e esperamos a sua história começar. A noite estava gelada, sua voz baixa e grossa quietamente era levada através da montanha, deixando de lado seu cachimbo, ele abriu a boca e começou a falar.
 
Episódio 1: Gênesis
 
A história que estou prestes a falar é sobre aqueles que chamamos de deuses. Ouça com cuidado porque esta é a verdadeira história...
Há muito tempo atrás, num tempo antes do pensamento, havia somente um globo em que toda a criação estava misturada. Como não havia nada com que comparar, o globo era grande e pequeno, escuro e brilhante, tudo e nada.

Mais de cem milhões de anos, o globo começou a crescer e eventualmente dois poderes começaram lentamente a se formar dentro. À medida que cresciam, os poderes desenvolveram consciência e ego, e se separaram em luz branca e escuridão. A luz branca formou-se como fêmea e se chamou Einhasad. A escuridão formou-se como homem e se autodenominou Gran Kain. Estes dois seres marcaram o início de todo o universo e tudo o que sabemos hoje.

Einhasad e Gran Kain juntaram suas forças para sair do globo. Nesta ação o globo foi quebrado em pedaços de todos os tipos. Algumas peças elevaram-se para se tornar céu, alguns caíram para se tornar chão. Entre o céu e a terra havia água, e algumas partes do chão elevaram-se para se tornar terra.

O espírito do globo foi chamado Ether, também despedaçado com o quebrar do globo. Isto trouxe os vários animais e plantas à existência. "Criaturas da Genesis" foram formadas deste espírito, e os gigantes eram os melhores deste tipo. Eles eram conhecidos como os sábios, porque sua inteligência era tão grande quanto seus corpos fortes. Os gigantes prometeram manter a fé em Einhasad e a Gran Kain, porque foram as ações dos dois deuses que criaram a sua vida e mundo.

Einhasad e Gran Kain ficaram satisfeitos com os gigantes e apontaram-nos para serem os mestres de todas as criaturas vivas. Isso foi antes da morte e o verdadeiro paraíso existirem. Einhasad e Gran Kain deram nascimento a muitas crianças deuses entre eles. As primeiras cinco destas crianças foram habilitadas com a autoridade da terra. A filha mais velha, Shilen, ficou a cargo da água. O filho mais velho, Paagrio, controlou o fogo, e a segunda filha, Maphr, controlou a terra. O segundo filho, Sayha, tornou-se mestre do vento. Para a caçula, Eva, não havia nenhum elemento restante, assim ela criou poemas e música. Enquanto os outros deuses estavam ocupados com suas responsabilidades, Eva escreveu poemas e serenou-os com música. E assim a era dos deuses começou e não existia lugar na terra desconhecido para os deuses.
 
Episódio 2: Criação das Raças
 
Einhasad era a deusa da criação e criou formas usando seu próprio espírito. Suas crianças usaram seus próprios poderes para criar vida a partir dessas formas.

Shilen instigou o espírito da água na primeira forma que foi criada. Assim a raça dos elfos foi criada.

Paagrio instigou o espírito do fogo na segunda forma que foi criada. E a raça dos orcs foi criada.

Maphr instigou o espírito da Terra na terceira forma. E a raça dos anões foi criada.

Sayha instigou o espírito do vento na quarta forma. Assim a raça dos arteias foi criada.

Gran Kain era um deus da destruição. Quando ele viu o trabalho de Einhasad, ele se tornou curioso e ciumento. Ele imitou Einhasad e criou uma forma a sua própria imagem. Então foi ver Shilen, sua filha mais velha, e pediu-lhe para instigar o espírito na forma. Shilen ficou surpreendida e disse-lhe: "Pai, por que você quer fazer uma coisa dessas? Einhasad, minha mãe, é responsável pela criação. Por favor, não tome este tipo de trabalho que não é seu. Uma criatura que receba a vida de um deus da destruição só trará desastre."

Mas Gran Kain não desistiria. Após muito lisonjear e persuadir, finalmente, ele foi capaz de obter o consentimento de Shilen.

"Eu o farei então. Mas eu já dei o espírito da água à minha mãe. Então a única coisa que lhe posso dar é o que restou." Shilen deu o espírito da água parada e podre a Gran Kain. Gran Kain aceitou de bom grado.
No entanto, Gran Kain sentiu que não era o bastante para dar somente um espírito a sua criatura. Então ele foi ver Paagrio, seu filho mais velho. Como Shilen, Paagrio advertiu também seu pai.

No entanto, ele não poderia recusar Gran Kain. Então ele deu o espírito do fogo morrendo a Gran Kain. Gran Kain aceitou de bom grado.

Maphr também suplicou a seu pai com lágrimas nos olhos, mas terminou dando o espírito da terra estéril e contaminada a seu pai. Sayha, por sua vez, deu a seu pai o espírito do vento selvagem e violento.

Satisfeito, Gran Kain pegou tudo que lhe foi dado e gritou, "Olhe para as criaturas vivas que eu estou fazendo! Olhe os que nascem com o espírito da água, o espírito do fogo, o espírito da terra e o espírito do vento. Eles serão mais fortes e mais sábios do que gigantes! Eles vão dominar o mundo!”

Gran Kain gritou com grande orgulho para todo o mundo e instigou o espírito as criaturas à sua própria imagem. No entanto, o resultado foi terrível. Suas criaturas eram fracas, estúpidas, e covarde. Todos os outros deuses desprezaram as criaturas de Gran Kain. Superado pela vergonha de sua falha, Gran Kain abandonou suas criaturas e foi se esconder por algum tempo. Estas criaturas são chamadas seres humanos.

A raça dos elfos era sábia e sabia executar a magia. Mas eram menos sábios que os gigantes. Conseqüentemente, os gigantes deixaram os elfos servir-lhes na política e em atividades relacionadas à magia.

A raça dos orcs era forte. Possuíam força inesgotável e grande força de vontade. No entanto, eles não eram tão fortes quanto os gigantes. Conseqüentemente, os gigantes deixaram orcs servir-lhes na guerra.

A raça dos anões era hábil. Eram bons engenheiros, matemáticos hábeis e excelentes na arte da forjá. Os gigantes permitiram que servissem no trabalho bancário e de manufatura.

A raça voadora dos arteias era amante da liberdade e possuía eterna curiosidade. Os gigantes queriam capturar e subjugar as criaturas de vôo livre, mas assim que uma arteia foi trancada em uma jáula, rapidamente perdeu sua força e morreu. Gigantes ficaram sem opção senão permitir que as arteias voassem livres. As arteias visitavam a cidade dos gigantes para dar-lhes notícias de outras partes do mundo.

Os seres humanos não poderiam fazer qualquer coisa assim e se tornam escravos dos gigantes, fazendo todo tipo de trabalho servil. A vida dos seres humanos não era melhor que o dos animais.
 
Episódio 3: A Guerra dos Deuses
 
Gran Kain era livre e desinibido deus. No entanto, ele fez um grande erro seduzindo Shilen, sua filha mais velha. Eles conduziram um caso, evitando os olhos de Einhasad, até que Shilen engravidou. Quando Einhasad descobriu, ela ficou furiosa. Tirando sua filha da posição de deusa da água, Einhasad ordenou que Shilen fosse banida do continente. Gran Kain virou as costas para a situação, e Shilen foi deixada para lidar com o seu destino sozinha.

Enquanto grávida Shilen fugiu para o leste. No meio de uma floresta escura, ela deu à luz - amaldiçoando Einhasad e Gran Kain com cada dor do parto excruciante.

Os bebês nascidos do trabalho de Shilen com o desespero e raiva de sua maldição tornaram-se demônios. Entre eles, as criaturas mais fortes foram chamadas Dragões.

Houve um total de seis dragões nascidos da maldição contra os seis deuses. Shilen estava cheia de ira para com Einhasad que a baniu, e Gran Kain que a seduziu e depois a abandonou. Recolhendo a força de seus filhos, ela criou um exército para punir os deuses.

Os dragões mais fortes foram requisitados a estar na frente do exército dos demônios para lutar contra os deuses. Ouvindo isto, Aulakiria, o dragão da luz, olhou Shilen com olhos tristes e falou.
"Mãe, você não sabe o que está fazendo. Você quer realmente a destruição eterna dos deuses? Você realmente quer que seu pai, mãe e irmãos caiam no chão em piscinas do seu próprio sangue?"

Sua apelação não mudou a cabeça de Shilen.

Por último, os demônios invadiram o palácio onde os deuses viviam, e uma feroz batalha começou. Os seis dragões destruíram tudo no palácio dos deuses. Mesmo os deuses estavam intimidados pelo incrível poder dos dragões. A batalha pareceu destinada a continuar para sempre. No entanto, se a guerra não parasse, o mundo deixaria de existir, e todas as coisas vivas seriam aniquiladas.

Numerosos mensageiros dos deuses e demônios foram destruídos ou desapareceram. Todo dia, havia trovões e relâmpagos, como grandes forças colidindo violentamente no céu. Os gigantes e as outras criaturas vivas da terra tremeram enquanto observaram a terrível luta no céu.

A feroz batalha continuou por vários anos, e eventualmente o equilíbrio gradativamente inclinava para um lado. Apesar de sofrer muitos ferimentos, Einhasad e Gran Kain, tinham poderes fortes e destruíram muitos demônios.

Os dragões continuaram lutando, apesar de estarem profundamente feridos e encravados de cicatrizes. Sua fadiga tornou-se mais e mais aparente. Depois de um tempo, parecia que a guerra viria ao fim com a exterminação do exército de Shilen. No final, os dragões abriram suas asas e voaram para a terra para escapar. Os demônios sobreviventes os seguiram. Os deuses queriam matar o exército em retirada. No entanto, devido a seus próprios ferimentos, tudo que podiam fazer era assistir os dragões e demônios partirem.

Como as crianças de Shilen pereceram um a um perderam a guerra, Shilen não podia suportar sua tristeza. Ela inventou o submundo e o governou.
 
Episódio 4: A Grande Inundação
 
Depois que Shilen se foi, Eva herdou a autoridade para se pronunciar sobre a água. Mas Eva tinha uma natureza tímida e após o banimento da sua irmã mais velha e da guerra entre os deuses, ela ficou ainda mais temerosa. A fim de evitar a pesada responsabilidade que caiu sobre ela, ela cavou um túnel no fundo de um lago e se escondeu.

Sem nenhuma deusa para governar, os espíritos da água estavam sem propósito começaram a vagar sem rumo. Demasiada água fluía em um lugar e formava um grande pântano. A água não fluía em outro lugar e lá formava um deserto. Muitas vezes, parte do continente, de repente afundava no oceano ou uma nova ilha de repente surgia do nada. Em alguns lugares, chovia dia e noite até que tudo exceto as pontas das montanhas mais altas ficaram submersas.

Sempre que um pedaço de terra permanecia acima da água, todas as criaturas vivas reuniam-se para preservar suas vidas e o pedaço de terra caia no pandemônio. Ambos continente e oceano, todas as criaturas vivas estavam sofrendo. Em nome de todas as criaturas vivas, os gigantes pediram aos deuses por ajuda.

Einhasad e Gran Kain procuraram por toda parte do continente e finalmente encontraram o lago em que Eva estava escondida.

"Eva olhe o que aconteceu porque você evitou sua responsabilidade. Você está destruindo a harmonia deste continente que nós criamos com todos os nossos esforços. Eu não vou tolerar isso, se você continuar a me desobedecer."
Einhasad estava tão enfurecida que seus olhos ardiam brilhantes como chamas rugindo. Devido às inundações, incontáveis ​​gigantes e criaturas vivas partiram para o mundo de Shilen. Isto deixou Einhasad com muita invejá de Shilen. Tremendo de medo, Eva acabou se rendendo a sua mãe.

Quando Eva assumiu sua autoridade para ajustar as águas, os desastres cessaram gradualmente. No entanto, era impossível restaurar o continente que estava em ruínas.
 
Episódio 5: Desafio dos Gigantes
 
Os gigantes começaram a abrigar o ceticismo em seus corações. Gran Kain já havia provado sua própria estupidez, fazendo uma criatura humilde chamada humano. Além disso, devido à conduta lasciva de Gran Kain e ciúme de Einhasad, o Submundo foi criado e vários demônios vieram à existência. Devido à fraqueza e incompetência de Eva, o continente estava muito fora de forma. As sementes da dúvida começaram a brotar nas mentes dos gigantes. Será que esses deuses merecem nossa adoração?

Os gigantes podiam passear de carruagens brilhantes feitas com suas próprias mãos e livremente ir para dentro e fora do palácio dos deuses. Podiam usar magia para elevar uma ilha e viver no ar como deuses. Eles podiam prolongar a sua vida até parecer que eles viveriam para sempre. Os gigantes começaram a pensar que seu poder era igual ao dos deuses. Apesar de sua sabedoria, tornaram-se excessivamente arrogantes.

E assim todos os gigantes se estabeleceram como deuses.

Eles começaram experimentar, modificando os organismos vivos para criar novas formas de vida. Os gigantes chamaram a magia que fez tal milagre possível de 'ciência'. Intoxicados pelo poder, os gigantes organizaram um forte exército para lutar contra os deuses apesar da falha de Shilen, dos seis dragões, e dos numerosos demônios na mesma tarefa.

Os deuses viram a preparação e ficaram enfurecidos. Einhasad, que reivindicou o direito exclusivo de criar vida, ficou sem palavras com fúria. Ela jurou destruir todos gigantes junto com o continente e o mundo inteiro. Gran Kain pediu para ela manter a calma.

"Por mais que você é a mãe da criação", argumentou ele, "assim a destruição é minha responsabilidade. Você sabe muito bem o quanto eu cobicei sua tarefa. Eu punirei os gigantes por sua conduta arrogante. No entanto, se você ainda quer destruir o mundo inteiro, eu lutarei com tudo que tenho."

Gran Kain não queria permitir a destruição do continente não importava o quê e Einhasad ficou muito ofendida pela intervenção de Gran Kain. Entretanto, como eles eram de status iguais, ela não podia impedi-lo.

Einhasad se comprometeu no fim. A fim punir os gigantes, ela decidiu pegar emprestado o martelo de Gran Kain - conhecido como o Martelo do Desespero. Devido ao seu grande poder destrutivo, mesmo Gran Kain nunca tinha usado a arma. Com toda fúria, Einhasad levantou o martelo acima de sua cabeça e trouxe-o para baixo no centro da cidade dos gigantes.
 
Episódio 6: O Fim das Eras
 
Só quando chamas vermelhas choveram dos céus que os gigantes perceberam que tinham cometido um erro. Eles chegaram a combinar suas forças para impedir a fúria do Martelo do Desespero. No entanto, mesmo com o poder dos gigantes, eles apenas alteraram a direção do martelo um pouco, e ainda atingiu de raspão as cidades em que desceu sobre o mundo.

Isso foi o suficiente para destruir a maior cidade o mundo, incontáveis ​​gigantes e outras raças foram instantaneamente esmagadas. Um grande buraco foi deixado na terra e imensas ondas cobriram sua superfície. No final, quase todos os gigantes haviam perecido.

Os gigantes que conseguiram viver fugiram para o leste a fim de evitar a raiva de Einhasad. Seu percurso paralelo ao de Shilen em sua fuga anterior. Einhasad continuou a caçá-los e queimou todos os gigantes a morte um por um com raios de luz. Os gigantes ainda em fuga tremiam de medo e rezaram para Gran Kain.

"Gran Kain, Gran Kain! Realizamos nossos caminhos errados. Somente você pode parar a fúria e loucura de Einhasad. Não nos deixe morrer, nós que nascermos do mesmo lugar como você mesmo, nós que somos mais sábios e mais fortes criaturas da terra!"

Gran Kain sentiu de repente uma enorme sensação de pena por essas pobres criaturas e pensou que os gigantes tinham sofrido o suficiente por sua transgressão. Ele levantou as águas mais profundas dos mares do sul e bloqueou caminho de Einhasad.

Einhasad gritou com raiva: "O que é isso? Quem se atreve interferir? Eva, minha amada filha, elimina a água que bloqueia meu caminho neste instante ou estejá pronta para seguir os passos de sua irmã mais velha!"

Eva temeu Einhasad e imediatamente retornou as águas ao mar. Einhasad continuou a perseguir os gigantes, matando um a um. Os gigantes clamaram para Gran Kain novamente.

"Gran Kain! O mais poderoso dos deuses! Einhasad continua a nos perseguir, determinada a nos exterminar! Nós vos pedimos, por favor, tenha misericórdia e nos salve!"

Gran Kain levantou a terra em que os gigantes estavam. O grande precipício levantou impedindo a perseguição e ela gritou em voz alta.

"Maphr, minha filha amada! Quem se atreve a interferir? Defina a terra para baixo neste instante. Ou estar pronto seguir o caminho de sua irmã!"

Temerosa com essas palavras, Maphr tentou abaixar a terra, mas Gran Kain parou.

"Einhasad, porque você não desiste? Toda a terra sabe da sua raiva e treme diante da sua ira. Os sábios, mas tolos gigantes sentem sua iniqüidade a sua própria essência. Vejá você mesma! A raça de criaturas orgulhosas e nobres -- que uma vez governou a Terra -- está escondida em uma estreita faixa de terra tremendo de medo enquanto procuram escapar de você! Eles não podem mais desafiar os deuses. Este lugar será eternamente a prisão dos gigantes. Acalme sua raiva, sua vingança esta completa."

Einhasad continuou com raiva, mas ela não podia agir contra os desejos de Gran Kain -- ele possuía força igual a sua. Ela decidiu que, como Gran Kain disse, seria melhor deixar os gigantes naquela terra estreita, estéril para sempre se arrepender de seus pecados ao invés de matá-los. Ela terminou sua caça e retornou para casa.

Depois disso, Einhasad raramente interferiu com os acontecimentos na Terra, já que tinha sido profundamente decepcionada com os seres da Terra. Gran Kain também concordou em não manifestar-se sobre a Terra. A idade dos deuses estava chegando ao fim.
 
Episódio 7: Um Retorno à Fogueira

O estranho se deteve em sua história.  


Fascinados pela historia, não nao nos movermos quando ele contou a história do nosso mundo. Sua voz, embora suave, penetrou profundamente em nossas cabeças - como se fosse mágica na natureza. O mito de que ele falava era completamente diferente do que nós sabíamos, mas ninguém protestou. Nós, os guerreiros mais experientes em todas as terras, estavamos atraídos pelo estranho e nervosos, com medo deste mero homem . Quando uma corujá levantou vôo nas proximidades, nos encolhemos com o súbito bater de asas.  

O estranho riu, levantou o cachimbo fumegante nos lábios, e continuou sua história.

"Não abandonem automaticamente a minha história porque é diferente daquela que vocês conhecem dos deuses. Não há nenhuma prova de que seus sacerdotes estão mais próximos da verdade do que um poeta errante. A história dos deuses é a vontade dos deuses, não dos seres humanos. E assim, como simples sacerdotes saberiam a verdade? Ouçam enquanto eu prossigo. Esta é a história da terra após o desaparecimento dos deuses. É a sua própria história."

Episódio 8: As Consequências
 
O mundo caiu em grande tumulto após o súbito desaparecimento dos gigantes. Acostumado com a regra dos gigantes, os elfos, orcs, anões e humanos foram confrontados com a dura realidade de se defender por si mesmos. No topo desta assustadora mudança , o mundo em que viviam estava devastado com a batida do Martelo do Desespero. Muitos morreram durante os desastres feitos por Einhasad, e muitos outros morreram na confusão e caos. As raças da terra suplicaram fervorosamente aos deuses por salvação, mas os deuses não responderam.  

Os primeiros a assumir o controle da situação foram os elfos, pois eles eram a raça responsável pela política durante o tempo dos gigantes. As elfos foram bem sucedidos em unificar as raças e continuaram com suas vidas. Mas como o tempo passou, tornou-se aparente que os elfos não tinham as mesmas capacidades de governar que os gigantes tinham. Os primeiros a ficar contra os elfos foram os orcs.

"São os elfos mais fortes do que nós? Não! Os elfos tem o direito de governar sobre nós? Não! Não podemos suportar que aqueles que são mais fracos ousem ficar acima de nós!"
 

A força militar dos orcs era poderosa e, tendo vivido apenas em paz, os elfos não eram páreos para os orcs orgulhosos e destemidos. A maioria da terra se tornou território dos orcs em um instante e os elfos foram levados para um canto do continente. Lá os elfos procuraram auxílio dos anões que, com sua grande riqueza e armas superiores, teriam uma chance contra os orcs.
 

"Raça da terra," os elfos choraram, "Vinde em nosso auxílio. As hordas violentas dos orcs nos persegue com sua força. Venham -- vamos lutar juntos"

Mas os anões friamente recusaram ajudar os elfos. Para os seus olhos, o mundo tinha virado a favor dos orcs. Não havia nenhuma razão para os anões mudarem para o lado dos fracos. Os elfos ficaram furiosos, mas não conseguiram influenciar na decisão.  

Os elfos decidiram procurar ajuda da raça do vento - os arteias. Sua habilidade de reconhecimento e ataque aéreo seria ajuda suficiente para os elfos triunfar sobre os orcs. Uma delegação elfa viajou até os confins da terra a procura da ajuda dos arteias
 

"Raça do vento, venha em nosso auxílio! Os bárbaros orcs estão nos oprimindo com sua força. Vamos nos unir e ensinar-lhes da sua loucura!"
 

Mas, como sempre, os arteias não estavam interessados em política ou guerra da terra. Eles decidiram não escolher nenhum lado e se esconderam no mais profundo interior. Os elfos se desesperaram.

"Ah, ninguém vai nos ajudar! Será o fim da nossa espécie? Os orcs imundos vão assumir as terras e reivindicar toda glória e riqueza como seu?"

Episódio 9: Uma Nova Aliança

Rejeitados pelos anões e arteias, os elfos foram deixados sem aliados para a guerra contra os orcs. Lamentando seu destino, os elfos ficaram surpresos pelo aparecimento de um estranho entre suas fileiras. O estranho se ajoelhou diante do rei élfico, que olhou mais perto para descobrir que o estranho era um representante dos seres humanos. O estranho usava uma coroa feita de ramos de árvore.
 

"O que é isso, líder dos humildes humanos?" o rei élfico perguntou "Você veio zombar de nossa situação?"

O homem abaixou a cabeça e falou: "Não, rei sábio. Viemos para ver se nossas forças podia ser de qualquer ajuda"
 

Os elfos se alegraram, pois, embora os humanos fossem tolos e fracos, sua grande quantidade poderia ser de grande ajuda na batalha.
 

"Muito louvável de vocês, rei humano," o rei élfico concordou "Seres insignificantes vocês podem ser, mas sua devotada lealdade e vontade de sacrificar suas vidas por nós é admirável. Vá em frente na batalha para a vitória e vocês deve adquirir uma posição diretamente abaixo dos elfos."
 

O rei humano curvou-se profundamente perante o rei elfico, então levantou a cabeça, de frente para a sua contraparte élfica. "Muito nobre rei élfico," falou, "Nós humanos temos um pedido a fazer antes de batalharmos pela gloriosa vitória da raça élfica. Nossos poderes são muito fracos. Nossos dentes não podem arranhar a pele dos orcs e nossas unhas são inúteis contra seus músculos. Nós suplicamos, concede-nos o poder contra eles. Ensina-nos o conhecimento de sua magia."

Essa ousada proposição deixou os elfos chocados e furiosos. Ensinar magia aos humanos? Nunca! Eles apontaram, invocando as magias para transformar o humano em monte de cinzas, mas a líder élfica Veora intercedeu. Ela sentiu que o pedido não era uma ameaça e devia ser honrado. Os humanos eram muito fracos, e seria duvidoso que pudessem vencer os orcs sem ajuda. E com suas mentes inferiores, os humanos não seriam nenhuma ameaça mesmo capazes de aprender magia. E assim ela fez uma escolha que mais tarde iria custar sua vida.  

Os humanos rapidamente absorveram os caminhos da magia, aprendendo muito mais rápido que os elfos tinham antecipado. Os corpos humanos, embora não tão fortes como os dos Orcs, se fortaleceram através do trabalho constante e disputas internas entre os da sua espécie. Eles eram peritos com suas mãos e podiam habilidosamente empunhar armas, e mais qualquer outra coisa, seu número era enorme e impressionante. Em um curto espaço de tempo, o exército humano se tornou uma força formidável.
 
Episódio 10: Um Aliado Se Torna Inimigo

A aliança humano-elfo gradualmente começou a ultrapassar os orcs. Como a maré da batalha virou a favor da aliança, os anões mudaram de lado e começaram a fazer suprimentos de batalha para os humanos. Com forte armadura e armas afiadas dos anões, os humanos poderiam agora derrotar o exército dos orcs sem a ajuda das forças élficas.  


Os elfos tornaram-se inquietos, assim que as vitórias da aliança cresceram em número. Eles podiam sentir os humanos cada vez mais forte e fora de seu controle. No entanto, os elfos não permitiram que esse desconforto crescesse a preocupação, porque não poderia imaginar que o mais humilde de todos eles - o lixo humano - poderia conceber uma revolução. E com a vitória final sobre os orcs ao alcance, os elfos não tinham tempo para se debruçar sobre as preocupações do ser humano. Os humanos continuaram a aprender formas mais elevadas de magia, e eventualmente a guerra terminou com a vitória da aliança. Os orcs foram forçados a assinar um tratado de paz humilhante e rapidamente se retiraram para a segurança de seus lares no norte de Elmore.

O líder dos orcs riu enquanto partia, "Elfos tolos. Esta vitória não é sua, mas do humanos sujos. Como vocês vão controlar esses monstros que criaram?"
 

Verdade nessas palavras amargas, os elfos agora enfrentam uma nova ameaça - os humanos. Mas após a longa batalha, os elfos ficaram muito cansados e fracos para lutar. Em contraste, os humanos com seus novos poderes mágicos, eram fortes. E assim, os humanos se levantaram contra os elfos.  

Muito tarde, os elfos perceberam que eles tinham tomado debaixo das suas asas os descendentes dos dragões. Uma feroz batalha de magia contra magia novamente abalou a terra. Mas a elfos eram muito fracos para suprimir as forças dos humanos. Os elfos foram lentamente empurrados para trás até que eles foram forçados a recuar para segurança de suas florestas. De sua posição segura, eles se prepararam para o confronto final contra os humanos. Magia élfica era mais forte nessas florestas e eles procuraram usar essa vantagem para a vitória.

Os elfos cavaram profundas masmorras que rapidamente ecoaram com o barulho das espadas e gritos da batalha. Mas os vencedores final no cerco de três meses eram os humanos. Nem o orgulho élfico, nem os poderes mágicos dos bosques élficos, nem mesmo a magia superior dos elfos poderia estar contra a corrente interminável do exército humano. Os elfos sofreram grandes danos e eventualmente escaparam nas profundezas da floresta. Na retirada, lançaram fortes barreiras em torno de seus bosques para impedir a invasão dos humanos e outras raças.

E assim, os humanos se tornaram conquistadores de todas as terras.

Episódio 11: Um Retorno à Fogueira

O desconhecido olhou para cima, sua última história concluída.

A historia foi diferente de qualquer uma que tinha ouvido, mas estranhamente familiar. A bela donzela élfica sob nossa companhia estava tranquila, cheia de lágrimas nos olhos.

A noite tinha se aprofundado quando o estranho falou e agora os gritos das criaturas selvagens podiam ser ouvidos de longe. O vento parou de soprar nos galhos da arvore sobre nos, e até mesmo a água que corre no riacho parecia silenciosa e macia. Apenas o som da nossa respiração e o crepitar da fogueira acesa ressoaram durante a noite. Era como se toda a natureza que nos rodeiava prendesse a respiração para ouvir de perto a história contada em volta da fogueira.

Nos aproximamos do estranho, que limpou sua garganta com uma tosse estrondosa, e começou de novo.

"Então. Não é irônico que a menor de todas as criaturas, os humanos, por fim alcançaram a propriedade da terra? Mas isso é o resultado da vontade humana. Até os deuses não imaginaram que os humanos algum dia se tornariam os governantes da terra.

"Agora, eu lhes direi a historia do reino humano mais brilhante que já existiu. Esta é a história dos humanos que andaram no mesmo caminho dos gigantes"

Episódio 12: A história foi reescrita

Durante longas batalhas contra orcs e elfos, os humanos começaram a formar primitivos reinos entre seus números. O grupo central era composto do clan Athena e os humanos especializados em magia. Eles protegiam seus números com seu poder, mantendo a ordem através de ameaças, e ocasionalmente se envolveram em pequenas e grandes batalhas.

A ordem foi resolvida rapidamente quando o líder Athena, Shuniman, uniu as regiões conhecidas atualmente como Aden e Elmore. Ele chamou seu reino de Elmoreden e foi entronado como Imperador. A coroa de galho de árvore que adornava a testa de seus antepassados se tornou uma coroa de ouro com jóias brilhantes para pôr sobre a testa. Ele ficou conhecido como uma presença quase igual aos deuses na erudição de seus seguidores.

O Imperador Shuniman estava preocupado com a limitação de vida dos humanos. O fato é que Gran Kain, deus da morte e da destruição, foi o seu criador e deu aos humanos um complexo de inferioridade. Além disso, os contos que foram criados a partir de restos de outras raças era profundamente humilhante para os novos governantes da terra. Para seu novo reino, eles precisavam de um novo mito, uma nova história que iria revelar-los como seres nobres.

Eventualmente, e através de grandes reformas religiosas, Shuniman fez Einhasad deusa dos humanos em vez de Gran Kain. Mito e história foram mudados e aqueles que praticavam magia negra, assim como os seguidores de Gran Kain, foram perseguidos. A reforma religiosa continuou por gerações e eventualmente todos os humanos acreditaram que Einhasad, deusa de bem, era sua criadora e Gran Kain era simplesmente o deus do mal. Ao aprender isso, Gran Kain riu na aceitação.

"Mesmo se eles não me servem, eu não vou ficar irritado. Porém tolos humanos, não importa o quanto vocês tentem cobrir o céu e com as mãos - o céu é verdadeiramente menor que o seu alcance?"

Episódio 13: Elmoreden e Perios

Enquanto o imperador Shuniman e o reino de Elmoreden cresceram e prosperaram, a região de Gracia através do mar retumbava ainda em turbulência. A geografia de Gracia era variada e perigosa e enquanto muitos grupos humanos lutavam pelo controle, nenhum grande poder tinha emergido para unificar o governo. Os pequenos reinos pontilhavam a paisagem, reivindicando pedaços da terra como seus e conduzindo confrontos pequenos a grandes batalhas para a dominação.

O dia veio quando o forte exército de Elmoreden invadiu a terra através da ponte ocidental do mar e o reinos de Gracia foram forçados a se aliar em sua própria defesa. Muitos da realeza e da aristocracia foram mortos no processo. A aristocracia sobrevivente cresceu em poder. No final, a invasão Elmoreden foi repelida, contudo serviu para criar uma fundação para um reino unificado de Gracia. Este reino foi chamado de Perios.

Posteriormente, Perios e Elmoreden ficaram presos em uma luta constante para a dominação. Elmoreden, que tinha estabelecido primeiramente um reino unificado e possuía um grande poder militar, era muito superior. Porém Perios tinha sua próprias vantagens. Primeiro, do mar que separava os reinos limitando percursos de ataque de Elmoreden. Também de grande importância, o povo de Perios possuía relíquias poderosas deixadas para trás pelos gigantes que poderiam ser usados em benefício militar.

Mesmo com seu poder avassalador, no final os militares do reino de Elmoreden não puderam conquistar Perios.

Episódio 14: Beleth e Ivory Tower

O reino de Elmoreden era o lar de Ivory Tower, uma instituição para aprender magia. Os magos dentro da torre de marfim trabalhavam para recuperar, estudar e aperfeiçoar a magia dos antigos gigantes. A proeza mágica dos eruditos da torre era grande, e ao mesmo tempo a sua influência no reino estava próxima a do imperador.

Entre aqueles da torre de marfim estava Beleth, o mago mais forte de todos e um dos maiores gênios que já andaram na terra. Ele se tornou obcecado com a magia dos gigantes e conseguiu adquirir quase todas as forças. Mas o poder dos gigantes era um poder amaldiçoado impróprio para seres humanos, e tendo o alcançado, a ambição de Beleth e a sede de controle cresceram desenfreadamente. Alarmados, o reino e os magos de Ivory Tower combinaram suas forças para se livrarem de Beleth. Porém Beleth conseguiu extrema força e poder nas artes das trevas.

Finalmente, os magos de Ivory Tower usando magia negra proibida conseguiram suprimir o poder de Beleth suficiente para prender e selar-lhe nas masmorras abaixo da torre. Contudo, apesar dos cavaleiros e do selo, Beleth conseguiu quebrar o selo e escapar. Ele fugiu para a Ilha Hellbound para recuperar sua força e continuar em sua ambição de conquistar a terra.

A magia negra lançada para prender Beleth teve um outro efeito duradouro. As partes do sul da região conhecida agora como Gludio foram devastadas pela magia negra, e muitos humanos foram mortos quando os feitiços foram lançados. O reino responsabilizou Beleth e espalhou a palavra que Beleth era um diabo entre homens.

Episódio 15: Discórdia Élfica

Uma grande mudança ocorreu nas florestas elficas nesta era. Tendo perdido o controle do continente para os humanos, os elfos perderam gradualmente sua confiança. Todos esqueceram de sua ambição de governar a terra e estavam satisfeitos com suas vidas pacíficas nas florestas.

Havia um grupo conhecido como os elfos marrons que estavam insatisfeitos com complacência dos elfos. Possuidores de uma forte ambição, insistiam que a batalha com os humanos deveria continuar - mesmo que isso significasse o uso de magia negra proibida. No entanto, essa postura encontrou uma violenta oposição dos outros elfos. Durante esse tempo, um mago humano apareceu entre os elfos marrons e, aproximando-se do seu líder, falou.

"Rei dos elfos marrons - você deseja poder. Mais os fracos elfos da árvore e seus adeptos temem que você alcance o grande poder que merece. Eles se preocupam apenas se os atacar ou trazer uma praga maior ao provocar os humanos. São esses pensamentos fracos que criaram a atual fraqueza na raça elfica.”

O líder de elfos marrons respondeu com cautela: "Quem é você, mago humano? Que objetivo você tem em nos enganar?"

"Meu nome é Dasparion e eu sou um mero mago. Mas eu possuo a força que você deseja. Posso ajudá-lo a alcançar suas ambições em retorno você deveria me dar o que eu desejo"

"O que você desejá? E o que pode ser?"

"Sua juventude. O segredo da vida eterna. " Um ligeiro sorriso tocou os cantos da boca de Dasparion. "Embora eu possa ser hábil em magia, eu ainda sou humano e minha vida não é mais que cem anos. Então, rei dos elfos marrons, qual a sua decisão? Nós podemos ajudar uns aos outros com o que desejámos"

Seduzido pelo poder da magia negra que Dasparion possuía, os elfos marrons aceitaram sua proposta e aprenderam artes das trevas sob sua tutela. Dasparion por sua vez adquiriu o conhecimento da imortalidade e deixou a floresta satisfeito.

Sabendo destes eventos, os elfos baniram os elfos marrons, que haviam abandonado Einhasad e vieram a seguir Gran Kain. A batalha seguiu entre todos os elfos. Os elfos marrons, agindo em plano de Dasparion, usaram um feitiço mortal para aniquilar os elfos da árvore. Porém os elfos da árvore, com sua respiração acabando, colocaram uma maldição sobre os elfos marrons. A maldição apodreceu os bosques dos elfos marrons e eles se tornaram uma raça de escuridão. Posteriormente, os elfos marrons foram conhecidos como elfos negros.

Episódio 16: Fim de uma Era de Ouro

A era de ouro de Elmoreden veio aproximadamente mil anos após a sua criação, durante o reinado do imperador Baium. Com grande carisma e habilidade de liderança, Baium criou o exército mais poderoso da história do reino. Este exército conduziu orcs, que tiveram influência considerável nas áreas ao norte de Elmore, nas bosques negras, conhecidas mais tarde como reino dos Orcs. Além disso, o exército de Baium conduziu repetidos ataques contra o reino de Perios, e ocupou eventualmente as partes ao sul de Gracia.

Em seus últimos anos, Baium perdeu o interesse nas conquistas e usou as forças do reino para começar a construção de uma torre que ascendesse as nuvens.

"Meu nome inspira medo em cada canto do continente. Dezenas de milhares de vidas podem ser perdidas ou salvas pelo movimento de minha mão. Meu poder é absoluto. Que eu só posso ter este poder por algumas décadas, eu não posso suportar! Não - eu obterei a vida eterna dos deuses e governarei meu reino eternamente! "

A magnífica torre de Baium levou 30 anos para a construção. Ele pretendia usar a torre para escalar até a residência dos deuses e obter o segredo da vida eterna. Quando ele subiu a torre, os deuses se opuseram aos seus planos e lhe deram esta resposta:

"Filho do homem humilde, e um humilde humano você é: Você ousa sujar nosso domicílio para conseguir sua vida eterna? Você não aprendeu nada da lição dos gigantes? Muito bem, se a vida eterna é o que você deseja, vamos conceder -lhe o seu pedido. Mas você nunca deixará sua torre "

Tendo trazido a fúria dos deuses sobre si, Baium ficou preso por toda a eternidade no alto da torre. Após o desaparecimento repentino do imperador, uma competição feroz estourou entre membros da família real cada um disputava a ascensão ao trono. Inúmeros aristocratas também aproveitaram a oportunidade para reivindicar o trono, deixando todo o reino de Elmoreden enredado em um conflito interno. As despesas e exigências de trabalho para a construção da torre tinham enfraquecido o reino. O conflito e a fraqueza adicionados ao trono vazio foi a última gota. O reino resplandecente de Elmoreden , poderoso no continente por mais de mil anos caiu em declínio rapidamente. Dentro de uns meros 20 anos, o reino estava em ruínas.

Episódio 17: Um Retorno à Fogueira

A história, negociada por uma refeição e um fogo morno, continuou a desdobrar-se em uma direção desagradável. Nós não sabíamos a identidade deste estranho, nem sabiamos por que ele estava nos dizendo estes contos. Contudo nós escutamos, uma audiência cativa, incapaz de desviar o olhar ou mover-se como se uma força invisível nos mantesse preso aos nossos lugares.

O homem agiu como se não estivéssemos mesmo lá. Ele recolheu os galhos secos e gravetos em torno de seus pés e atirou-os no fogo morrendo. As chamas, que quase morreu, abriram-se com um vigor renovado. O homem nem sequer olhou em nossa direção, quando ele começou falar novamente.

"Minha historia agora está quase no fim. A história que vou lhes contar é familiar - que a luta pelo poder dos humanos continua até hoje. Esta é a história do continente após a queda de Elmoreden."

Episódio 18: Batalha pelo Continente

Embora o falecimento de Elmoreden trabalhasse para retardar a queda do reino de Perios, nada poderia parar as pragas que se aproximavam das regiões ao sul de Gracia, nem o frio devastador que varria a partir do norte. Como Elmoreden, Perios desapareceu nos tomos empoeirados da história.

Após a queda desses reinos outrora grande, a terra estava envolvida em uma turbulência terrível, e os tempos sombrios evocaram memórias dos rescaldo da Grande Peste. A aristocracia humana lutou entre si pela supremacia e até mesmo concedeu algumas terras para não-humanos em troca de seu poderio militar. Os Orcs aproveitaram essa oportunidade e ganharam uma posição a sua força. Reorganizando seus exércitos, os Orcs mais uma vez empreendia uma campanha para dominar o continente. Seus exércitos eram poderosos e eles rapidamente ocuparam a parte norte de Elmore, mas a luta entre nobres e humildes orcs enfraqueceram seu poder.

Entre os conflitos, os elfos não podia fazer nada, mas lutar por suas vidas na batalha sem fim contra seus irmãos escuros. E os anões não eram páreos contra o exército dos Orcs furiosos e foram facilmente deixados de lado.

Neste momento, uma facção humana dominante emergiu, conhecida como reino Elmore. Eles alegaram ser descendentes diretos do imperador, sejá verdade ou mito, era amplamente aceito, pois tinham a verdade da força e a verdade do aço por trás de suas palavras. O exército de Elmore colidiram com o exército dos Orcs ao longo de muitas batalhas. A guerra foi travada por muitos anos, custando pesadamente a cada um dos lados. Os exércitos foram se equilibrando, apesar dos humanos superarem os inimigos em numeros, a força bruta dos Orcs se fez um adversário formidável. No final, entretanto, mal derrotados, os orcs foram novamente expulsos para suas terras para ter tempo de planejár vingança. Quanto aos anões, os poucos que restaram foram banidos do continente humanos para as profundezas das Montanhas da Espinha.

Com sua força militar agora diminuída , o exército Elmore finalmente ganhou controle de todas as terras do norte e marcharam para o sul em busca de reunificar o continente sob a bandeira de Elmore. Porém a unificação do continente dividido não era para ser. Oren, o mais poderoso dos reinos do sul, afastou a invasão do exército com fortes magos e soldados bem treinados, e Elmore não poderia corresponder à ferocidade de um exército para defender sua terra.

Os vários reinos do sul prosperaram sob a proteção de Oren e juntos começaram a tomar forma de uma nação. Esses reinos mantiveram o equilíbrio entre eles, e cresceram fortes e prósperos.

Episódio 19: A ascensão dos dois reinos

As muitas guerras atravessaram várias gerações, e fora do caos, Gracia se tornou a primeira na discussão das vertentes de união. Um homem chamado Paris, com sua proeza militar e tremenda força trouxe glória a seu povo, ganhando muitas batalhas e reivindicando terras em nome de Beheim.

Paris alcançou status legendário, quando ele e seu exército enfrentaram os crueis montanheses de Quaser. Em uma luta desesperada contra Tor, o mais poderoso guerreiro Quaser, Paris o atingiu com uma ferida decisiva. Tendo nunca perdido uma luta, segundo a lenda, Tor ferido soltou: "Você pode realmente ser humano? Tal força, tal velocidade!"

De pé diante de seu inimigo, Paris olhou para o campo de batalha e respondeu: "Eu desejo muito unificar esta terra ... Bravo guerreiro do norte, prometa-me sua lealdade, e juntos vamos conquistar todos os que se opõem a nós."

Assim, Paris levou os Cavaleiros do Falcao Branco, os Cavaleiros do Vento, e agora recém-aliados os crueis montanheses através das terras de Gracia e conseguiu muitas vitórias militares. As terras de Beheim. aumentou para mais de cinco vezes as suas fronteiras originais, e quanto à Paris, encenou uma revolta contra a realeza e ascendeu ao trono.

Enquanto isso, as terras do sul também estavam repletas de atividade e muitos se mostraram preocupados com as notícias de Gracia e Elmore. Um o líder carismático chamado Raoul apareceu, e levou sua própria campanha para reunir uma força pessoal sob a sua bandeira. Um orador de fogo, Raoul derrotou aqueles que se opunham a ele sem usar armas apenas com palavras. Um de seus discursos normalmente era assim:

"Senhores da terra! Vocês não vêem o que está acontecendo fora das nossas fronteiras? Formidáveis inimigos marcham para nós enquanto falamos! O reino de Elmore tem procurado por muito tempo nossas riquezas e nossas terras e está só esperando o momento certo para atacar. Se a região de Gracia através do mar também decidir se mudar, vamos ser superado! Não há outra opção além de juntar nossos exércitos em uma bandeira e se preparar para a guerra."

Raoul usou persuasão para amarrar firmemente as terras do sul. Porém a ameaça do reino de Elmore não era tão grande como parecia, pois estavam ocupados demais lidando com revolta em massa de orcs para focalizar toda a atenção em Aden.

No entanto, Raoul primeiro combinou forças com a sua aliada fiel Innadril e, juntos, essas terras estabeleceram o reino de Aden. Ao contrário de Paris, Raoul empreendeu uma campanha sangrenta e simplesmente avançou ao oeste para adquirir Giran e Dion.

Foi em Oren que Raoul encontrou pela primeira vez resistência ao seu plano. Oren alegou ser líder das terras do sul e não aceitava qualquer outro líder. Eventualmente, os dois reinos vieram às vias de fato, mas o reino de Aden manobrou por uma vitória notável. O reino de Gludio, testemunha o poder do exército de Aden, voluntariamente optou por aliar-se com Aden, completando a unificação de Aden. Posteriormente, Raoul ficou conhecido como rei da Unificação.

Episódio 20: O Herdeiros da Terra

Logo após a unificação de Aden, Gracia solidificou suas próprias terras quando a última oposição restante, o Hwuh, caiu nas mãos de Paris. Paris mudou a capital para Arpenino e reorganizou a estrutura do seu reino.

Aden provou ser uma poderosa força devido a sua bem sucedida defesa contra o avanço de Elmore. No entanto, uma nova página foi virada na história de Aden quando a tragédia se abateu com a súbita morte de Raoul. Sentindo o momento de atacar, Elmore repetidamente invadiram terras no norte de Aden. Sucessor de Raoul, Trabis foi capaz de afastar os invasores, mas logo faleceu de uma doença misteriosa. O próximo na linha de sucessão ao trono era um garoto de dezesseis anos de idade chamado Amadeo.

Ao ouvir a notícia, Paris, exclamou: "Os céus estão ajudando o nosso reino Gracia! Um rei de dezesseis anos de idade? Essa será a queda do reino de Aden!"

Mas Paris subestimou seriamente o jovem Amadeo. O menino rei conseguiu brilhantemente defender um ataque em larga escala de Elmore, e Paris sentiu que sua chance de conquistar Aden estava se esvaindo. Ignorando os conselhos de todos, inclusive seu fiel braço direito Dillios, Paris lançou um ataque maciço por terra e mar. Os resultados foram desastrosos.

Asteir, o rei deposto de Elmore, tinha juntado forças com Aden, inimigo de seu pai muito tempo.

"Você não tem vergonha? Você deve cair sobre sua própria espada de pé ao lado do inimigo de seu pai!" Paris gritou com raiva.

Asteir rebateu o comentário e respondeu: "O filhote posso cuidar dele depois, mas por agora você é minha principal presa."

A batalha de Giran provou ser o momento decisivo na guerra, e as tropas de Gracia, espancadas e desmoralizadas, recuaram para suas próprias terras. O fracasso da invasão deixou uma profunda ferida no orgulho de Paris, pois ele nunca conheceu a derrota. Eventualmente, Paris ficou doente e morreu logo depois.

O herdeiro Graciano era um homem frágil chamado Carnaria, a quem muitos considerado inapto para governar o reino. Em oposição, Cucarus desafiou Carnaria pelo trono. Apoiado por Dillios confiável conselheiro de Paris, Cucarus ganhou popularidade com o povo Graciano, e ele e Carnaria dividiram o reino em duas facções. Norte e Sul de Gracia tornaram-se inimigos amargos e sua luta consumiria todas as suas energias.

Esta foi a melhor notícia para Amadeo, e ele usou a ruptura na luta para fortalecer o reino. Através de seus esforços, Aden, Elmore e Gracia entraram em um tratado de paz e uma era de paz inquieta veio a acontecer.

Episódio 21: Epílogo

Quando o homem terminou a sua história, a luz começou a engatinhar em direção ao céu escuro. A noite já tinha passado e o amanhecer estava chegando. Nada restava do fogo, só as cinzas fumegantes. O contador de história acendeu o cachimbo mais uma vez, e deu uma baforada contemplativa.

"Então, minha história chega ao fim por agora. Com o passar do tempo, talvez a história irá continuar? Quem sabe, talvez um dia seu nome vai estar na minha história?"

O sol da manhã veio rastejándo adiante e eu podia sentir a urgência que um evento importante estava passando por mim. Levou um esforço para encontrar a minha voz e me atrevi a perguntar: "Quem é você? Por que você nos contou essas histórias e, e como você sabe todas elas?"

O homem sem palavras ascendeu a seus pés. Enquanto se levantava, foi crescendo em tamanho! Ele parecia um homem normal enquanto sentado, mas agora ele era um gigante, quase vinte metros de altura - lançando uma sombra sobre todo o grupo. Suas características permaneceram indistinguíveis sob o seu manto com capuz. Então, lentamente, sutilmente, ele começou a desaparecer! Só posso descrevê-lo agora como um definhamento nas bordas, e então de repente em uma rajáda de vento, ele se foi como poeira.

Ele não nos disse nada na hora, mas agora eu acho que sei quem ele era. Disfarçando-se para contar histórias para as raças do mundo era exatamente o tipo de ato que iria recorrer para aquele que já existia desde a começo do mundo. Talvez até mesmo a quem havia criado a humanidade?
 
Leia também: Prelúdio 

Nenhum comentário:

Postar um comentário